Cañete, Denilson, Cicero, Piris e algumas outras possibilidades

O São Paulo já tem certas as contratações de Denilson, Cícero e Cañete. Em muito breve deve também se confirmar a contratação do lateral Piris, da seleção Paraguaia e do Cerro Porteño.

São carências que precisavam ser supridas com urgência.

A lateral direita do São Paulo não tem dono faz tempo. Jean joga improvisado e dia a dia vai se acostumando a posição, mas ainda está longe do que se quer em um time como o tricolor.

O meia de criação não existe pelo menos desde 2004. O São Paulo aprendeu a jogar sem ele, mas não precisaria disso. Ter um meia de criação, o cara que acalma e distribui, é uma ajuda imensa para os atacantes e recentemente esse cara tem sido o Rivaldo.

Piris e Cañete vem exatamente para suprir essas duas vagas.

Segundo meus colegas de trabalho argentinos e até o colega Wagner Bordin, do Globo Esporte.com, Cañete é um camisa 10 clássico. Seu estilo de jogo LEMBRA o Riquelme.

Ele faz exatamente a mesma função do astro argentino que fez história no Boca Jrs.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=6st02K7y3ZM]

Não se assustem com a escrita volante no vídeo. No resto da América do Sul (a galera que fala espanhol) volante significa meio-campista, independente de ser de marcação ou não.

Eu, pelos vídeos, não vi nada demais. Os amigos argentinos gostam do futebol dele e acham que o jovem meia, de apenas 21 anos, pode render ótimos frutos futuramente, mas ainda precisa amadurecer. Vai precisar de um tempo de adaptação ao futebol brasileiro.

Muitos ficam desconfiados: “Por que o Boca liberaria esse jogador?”, “Se é craque assim, por que foi emprestado ao Universidad?”.

São perguntas lógicas, mas temos uma lembrança recente de um jogador que fez basicamente o mesmo caminho e deu certo: Montillo, do Cruzeiro.

Montillo começou no San Lorenzo como uma boa promessa do futebol argentino. Inclusive sendo titular da seleção Sub-20 dos hermanos. Acabou emprestado ao Morelia, do México, e depois, de volta a Argentina, foi vendido ao Universidad Católica do Chile, onde despontou pra toda América do Sul na Taça Libertadores.

Vale apostar, não?

Denilson é nosso velho conhecido. Garoto bom, criado em uma boa casa (o próprio São Paulo). Estava bem no Arsenal até a maldita lesão nas costas.

Foi titular absoluto da equipe inglesa, passou dos 100 jogos com a camisa londrina.

A lesão nas costas o ajudou a perder a vaga para o grande xodó dos torcedores do Arsenal: Jack Wilshere, considerado a maior promessa do time de Londres.

Volta em alta ainda e tem tudo pra ser titular absoluto do São Paulo. Pode se dar muito bem com Cícero, que faz a função de volante também, mas é canhoto.

Piris foi revelação do futebol paraguaio em 2008 e aos 22 anos conseguiu chegar a seleção. É um lateral que faz exatamente o que nenhum dos que nós tivemos faz: MARCA!

Foi o que o São Paulo buscou em Damián Gonzales e é o que busca em Piris, depois de ter a negociação com o jogador do Peñarol frustrada.

O São Paulo está montando mais que um time, mas um elenco para poder disputar o Brasileirão e quem sabe levar também a Copa Sul-Americana.

Já foi reforçado o meio-campo, a lateral direita e até o ataque, já que Luis Fabiano deve voltar a jogar em breve. O que falta? Ah, lembrei, a zaga.

O nome era Coates até bem pouco tempo atrás. O grande problema é que a boa atuação na Copa América supervalorizou o jogador, que agora custa bem mais do que o São Paulo está disposto a pagar.

Foram as propostas europeias que arruinaram os planos tricolores.

Com a saída de Miranda e Alex Silva, o setor defensivo precisa de um novo nome com urgência e quem está alta é Rafael Tolói, do Goiás.

Juan Figger está tentando colocar o jovem no São Paulo faz tempo. O Goiás faz muito mimimi porque acredita que pode vender o zagueiro para o exterior e levar um bom dinheiro.

O tempo está passando e cada vez mais o desejo do time esmeraldino de lucrar com a venda de Rafael Tolói vai ficando distante. Apesar que ele tem apenas 20 anos, o Goiás tem todo o tempo do mundo.

É um nome que pode aparecer no São Paulo até o fim do mês. Vamos esperar para ver.

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

4 Responses to Cañete, Denilson, Cicero, Piris e algumas outras possibilidades

  1. PC Maciel H says:

    Quero corrigir oq falei anteriormente, ele jogou no Vasco 35 partidas antes de ir para o Fluminense, mas o caminho foi este mesmo Chile e Brasil…

  2. PC Maciel H says:

    Esqueceu de citar q o Conca tbm seguiu o mesmo caminho q o Montillo anos antes…
    Ele saiu do River e veio emprestado para o Vasco onde não jogou, foi dispensado e o River emprestou para o Universidad antes de voltar em definitivo para o Fluminense…

  3. Em um ponto você tem toda razão: o meia de ligação é chamado de “enganche”. Só que volante deles não tem o mesmo significado de volante nosso. O nosso volante é volante mesmo, meia defensivo. O deles é meio-campista de modo geral. Tanto o cara defensivo, como o que joga um pouco mais avançado. O enganche é um volante, para eles.

  4. Maurício says:

    Com todo respeito a sua tradução, mas volante é volante. O verdadeiro meia de ligação no futebol argentino é chamado e “enganche”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>