Holanda e Alemanha fazem repeteco na final da Euro sub-17

As duas equipes, que decidiram o torneio continental no ano passado, chegaram mais uma vez na final. Em 2011 deu Holanda e novamente sob o comando de Tonny Trindade, eles buscam o bi

Enquanto todos aguardam pelo início da Eurocopa profissional, na categoria sub-17 o torneio já está na grande final e sem muitas novidades. A decisão repete o duelo de 2011 entre Alemanha e Holanda.

No ano passado os holandeses venceram por 5 a 2, com o comando da estrela Tonny Trindade.

Tonny Trindade disputa com adversário

Tonny marcou os dois primeiros gols da decisão. Ele não era de fato o comandante do time, até por ser um ano mais novo, mas acabou sendo decisivo e justificou sua convocação, coroando a participação com a artilharia do torneio em sua fase final, com três gols.

Pelo lado alemão, o grande nome era o camisa nove Samed Yesil, que também fez três gols na competição (um na final) e ficou empatado com Trindade na artilharia.

Os times deste ano vieram modificados, já que praticamente todos os atletas que disputaram em 2011 já excederam a idade limite para disputar a Eurocopa sub-17, menos Tonny Trindade.

Por isso, para os holandeses, o destaque do time não mudou, o meio-campista veste a camisa dez mais uma vez e lidera a laranja mecânica rumo ao bicampeonato.

Em janeiro deste ano ele fez sua estreia pelos profissionais do Feyernoord, o que deve tê-lo deixado mais empolgado para a disputa da Eurocopa.

Nathan Aké comemora seu gol na Eurocopa

Na fase qualificatória foram cinco gols em seis jogos, mas na fase final Trindade ainda não balançou as redes, apesar de ter dado uma importante assistência na vitória por 2 a 0 sobre a Georgia, nas semifinais.

Outro nome importante para se olhar com atenção: o capitão Nathan Aké joga no Chelsea e vem de uma boa fase com a camisa dos Blues. Conquistou a FA Youth Cup com um ótimo rendimento pelo meio-campo, foi um dos principais responsáveis pela goleada de 4 a 0 sobre o Blackburn no primeiro jogo da final. O volante tem sido o líder em campo da Holanda durante toda a competição.

Além dele, também é bom prestar atenção no atacante Jeroen Lumu, que ainda atua em uma pequena equipe da Holanda, mas essa situação não deve durar muito tempo depois dessa Eurocopa.

Na Alemanha tudo mudou e agora é a vez de uma dupla bastante inusitada fazer a diferença no meio campo germânico.

Leon Goretzka comemora com Max Meyer

A equipe inteira foi renovada e foi ai que surgiram Max Meyer, do Schalke 04 e Leon Goretzka, do Bochum. Meyer esteve apagado na fase qualificatória, mas o camisa 10 apareceu no “Elite Round” e fez três gols em três jogos.

Na fase final ele marcou mais três vezes e tem sido o principal nome da Alemanha, especialmente no difícil duelo contra a França, no qual marcou dois gols e ainda deu uma assistência, carimbando uma brilhante atuação contra uma equipe de alto nível.

Baixinho, com apenas 1,65m, Meyer inferniza as defesas adversárias com uma arrancada muito veloz e uma conclusão precisa de fora da área, mas normalmente sem muita força. Seu desempenho, no entanto, está aquém do futebol apresentado pelo jogador com o qual é sempre comparado na Alemanha: Mario Götze.

Quase 10cm mais alto do que seu companheiro, Goretzka tem 1,72m e veste a camisa 8 da Alemanha. Sua função é feita com maestria e é ele o volante responsável pela qualidade na saída de bola.

Esses são apenas alguns ingredientes, de um duelo que promete muita vontade dos jogadores, seja em busca do bicampeonato ou por uma vingança da derrota no ano anterior.

A partida acontece às 13h desta quarta-feira, com transmissão ao vivo pela ESPN Brasil.

Intruso tupiniquim

Nathan Aké e Matheus De Wit

Conforme informado pelo blog Brasileiros da Base, do amigo Guiherme Pannain, um brasileiro vai ao menos estar na comemoração do título ou na tristeza do vice-campeonato.

Matheus De Wit, natural de Holambra, SP, faz parte do grupo holandês, mas não tem chances de atuar na final. Ele foi convocado como suplente, caso algum atleta se machucasse ele poderia herdar uma vaga.

No Brasil, Matheus jogou pelo Guarani e hoje chama a atenção do técnico Albert Stuivenberg atuando pela lateral esquerda e muitas vezes também pelo meio campo do Twente, na categoria B1, onde é o único brasileiro do time.

Outro nome brasileiro do Twente, Gladstony, que faz parte da parceria entre o clube holandês e o Desportivo Brasil, já tem mais de 18 anos e treina com os profissionais.

About Gabriel Fuhrmann

Jornalista formado desde 2011, especializado em futebol de base.
This entry was posted in Base no exterior, Eurocopa sub-17 and tagged . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>