Em meio a estrelas do sub-17, lateral do Coxa desponta na Seleção Brasileira

Em meio a nomes muito badalados na Seleção Brasileira sub-17, como Robert, Índio, Boschilia e Mosquito, o grande destaque acabou ficando para Abner, do Coritiba

Can’t understand portuguese? Read the english version here

And check all content written in english here

Na Seleção Brasileira que disputa o Sul-Americano sub-17 o São Paulo teve cinco convocados, quatro convocados do Internacional, três do Fluminense, mas quem tem se destacado é o o lateral-esquerdo Abner, único convocado do Coritiba para o torneio.

O jovem tem se mostrado um dos mais completos em campo e surpreendendo aqueles que acreditam que jovens laterais, principalmente no Brasil, não sabem marcar. Na estreia contra o Chile foi disparado o melhor da Seleção em campo.

Contra o Uruguai mais uma boa atuação e a coroação veio no jogo contra a Bolívia. Abner aproveitou a sobra de bola depois do cruzamento do são-paulino Auro e marcou um lindo gol.

A joia, que está no Coxa desde 2011, pode também se tornar um dos principais jogadores da Seleção Brasileira. Até o momento, a evolução de Abner tem mostrado um atleta superior aos seus antecessores com a amarelinha, tanto no sub-17 quanto no sub-20.

Nessa lista podemos incluir Diogo e Henrique Miranda, do São Paulo e até Émerson Palmieri, do Santos, que era o lateral-esquerdo do último Sul-Americano sub-17 e chegou a jogar pelos profissionais do Santos.

E claro, no Coritiba as esperanças são grandes. Convocado para a Seleção desde as categorias sub-15, Abner já chega a dez convocações para defender o Brasil e claro, despertou o interesse de muitos clubes, tanto do Brasil, quanto no exterior.

Ninguém revela, mas segundo especulações, Manchester United, Inter de Milão, São Paulo e Internacional estão entre times que chegaram a sondar o atleta, entre 2011 e 2012.

Atualmente, Abner tem contrato com o Coxa até 2015 e declarou diversas vezes que não tem intenção de mudar de time tão cedo. Aos 16 anos, ele já participou da Copa São Paulo, um torneio sub-20 e mostrou que não se intimida. Na eliminação do time paranaense, ele foi o único a converter sua cobrança.

Disputando posição com Eltinho e Dênis, no time titular do Coritiba, não será surpresa se já tivermos a chance de assistir Abner atuando pelor profissionais, ainda em 2013.

Assista ao golaço de Abner contra a Bolívia (é o último gol do vídeo). Para constar, ele também quem dá o cruzamento para o segundo gol do Brasil

About Gabriel Fuhrmann

Jornalista formado desde 2011, especializado em futebol de base. Repórter da São Paulo FC Digital
This entry was posted in Promessas do futebol, Seleções brasileiras, Sul-Americano sub-17 and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Em meio a estrelas do sub-17, lateral do Coxa desponta na Seleção Brasileira

  1. Bruno Burlamaqui says:

    É verdade, Gabriel. O Abner tem sido o grande nome da seleção neste Sulamericano. É um jogador forte, de boas estatura e fôlego, e que demonstra desenvoltura com a bola nos pés.

    Já que você tocou no nome do Emerson Palmieri, também gostaria de destacar a minha admiração pelo que vi dele, em 2011, quando fez parte da seleção brasileira sub-17, semifinalista do último Mundial da categoria. Mostrou-se um lateral à moda antiga, isto é, que primeiramente marca e só avança na boa. Há quanto eu não via uma postura como esta em um jovem… Para mim que, tão logo ele tivesse as primeiras oportunidades com o Muricy, se firmaria no time profissional do Santos, porém minha expectativa não se confirmou.

    Todavia ainda não descarto que possa ver isto acontecer brevemente. É verdade é que o exemplo que irei dar é uma absoluta exceção à regra, mas gosto de lembrar. Acompanhei a Copa São Paulo de Juniores 2008 e gostei da intensidade de jogo do então time do Santos, que tinha como titulares o lateral esquerdo Thiago Carleto (que já figurava no time profissional santista à época), o atacante Tiago Luís (uma das apostas fracassadas do Wagner Ribeiro, quanto a vir se tornar um craque a nível mundial, junto com o Lulinha), assim como o Alemão (hoje é um reserva utilizado com frequência na Ponte Preta; tá recuperando-se na carreira) e o cara que me encantou pela incomum classe/categoria com a qual jogava no absolutamente ridículo gramado do estádio Nicolau Alayon – falo do Paulo Henrique Ganso. Neymar tinha 15 anos, era reserva e não significou nada naquela campanha, por isso não vale a pena destacá-lo.

    Tinha certeza cristalina de que o Ganso explodiria rapidamente. Mas não; demorou demais – um pouco mais que uma temporada inteira, aproximadamente. Achei que não iria vingar, porém o resto da história nós conhecemos. Ainda tenho esperanças que o mesmo possa acontecer com este Palmieri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>