Quando a loucura faz sentido e Maicon fica no São Paulo!

Às vésperas da semifinal da Libertadores, o São Paulo acertou a permanência do zagueiro Maicon, pilar da defesa tricolor, que praticamente mudou a cara do time do Morumbi em 2016.

Para contratar Maicon, o São Paulo pagou € 6 milhões, cerca de R$ 21 milhões e ainda cedeu 50% dos direitos do lateral Inácio e do zagueiro Lucão. O tricolor era detentor de 75% do Lucão e 77% de Inácio.

É loucura para um clube brasileiro pagar tanto por um jogador? É.
É caro? É.
É complicado ceder jovens da base? Sim.
Mas era necessário? Muito!

Na situação que o São Paulo se encontra em 2016, a manutenção de Maicon era imprescindível para ainda sonhar com algo. Sem ele a chance de avançar na Libertadores diminuiria. Sem ele a chance do ano que começou melancólico voltar ao seu estado inicial aumentaria bastante também.

Agora é pesar o que é bom e ruim dessa contratação. A parte boa é que, apesar de tudo, o São Paulo mantém uma porcentagem das duas jovens promessas. Lucão já não tinha muito ambiente no time, sendo constantemente criticado pela torcida e até por alguns companheiros de equipe.

Não importa se ele tem ou não qualidade e acredito que tenha, mas infelizmente não parecia ter muita possibilidade de render, a não ser que houvesse uma mudança no sistema defensivo e na postura, tanto dele, quanto da torcida. Uma mudança que permitisse que ele voltasse a ganhar a confiança aos poucos. Talvez até Maicon pudesse ajudar o jovem.

Aliás, Maicon agora pode ser o mentor de vários jovens no São Paulo, como Lucas Kal, Lyanco, Iago Maidana, Rony, Truyts, Éder Militão (o principal de Cotia) e até Hugo e Lucas Possignolo, que devem voltar de bons empréstimos na Espanha e em Portugal.

Inácio é um prospecto de ótimo valor. Um ótimo ala-esquerdo, muito melhor do que como lateral. Um batedor de faltas de alto nível e principalmente, é um jogador que tem a cara da Liga Portuguesa em seu estilo de jogo. Fica pra lateral-esquerda a esperança em Caíque, considerado o melhor da posição no CFA em muitos anos e que constantemente vem sendo preparado para uma oportunidade em breve.

O que tudo isso significa? Os dois ainda podem valorizar no Porto e quem sabe vão fazer parte de uma outra negociação. Pode ser que os papeis se invertam e futuramente seja o Porto quem bata na porta do São Paulo em busca do restante da porcentagem dos dois. Ou ainda, que eles valorizem e acabem transferidos para outro clube da Europa, rendendo ao São Paulo um bom valor em dinheiro

É o ideal para eles e para o São Paulo? Não. Cotia não nasceu pra ser moeda de troca, mas no atual momento, na necessidade de manter Maicon, o São Paulo tinha que decidir algo independente do futuro.

Independente de passar pra final da Libertadores. Dos garotos valorizarem no Porto. De Maicon se tornar ainda mais ídolo e quem sabe ser até vendido por mais do que foi comprado, o São Paulo foi obrigado a escolher e a decisão é acertada!

About Gabriel Fuhrmann

Jornalista formado desde 2011, especializado em futebol de base.
This entry was posted in Promessas do futebol. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>