Análise: Grêmio 1 x 0 São Paulo

O São Paulo foi na Arena do Grêmio e não surpreendeu, acabou, como esperado pelo futebol que vem apresentando, derrotado pelo tricolor gaúcho.

Com Araruna improvisado na lateral-direita, devido a suspensão de Militão, expulso contra o Vasco, o São Paulo viu o Grêmio mudar sua característica de jogo e em vez de atacar mais vezes pelo seu lado direito do ataque (esquerdo da defesa do São Paulo), dividiu bastante as ações.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Apesar da sobrecarga inicial sobre Araruna, o volante improvisado na lateral foi regular na primeira etapa, sofreu um pouco com Cortez e Fernandinho, mas não comprometeu. E por fim, apesar da preocupação com o jovem, o São Paulo rapidamente viu que seu problema não era Araruna, nem Edimar, embora fossem, como esperado, os jogadores explorados pelo ataque gremista, mas a completa nulidade do meio campo do tricolor paulista ao longo de toda a primeira etapa.

O Grêmio começou o jogo até respeitando o São Paulo, marcando atrás do meio de campo, mas quando percebeu que a diferença técnica e tática era grande, avançou, subiu sua marcação e precisou de pouco mais de sete minutos para criar boas chances e abrir o placar, em uma jogada que contou um pouco com a sorte.

Sem efetividade alguma no meio, o São Paulo errava muitos passes. Até jogadores consagrados pra torcida estavam completamente perdidos, a exemplo de Hernanes, mais uma vez em atuação apagada. Mas ninguém esteve mais apagado do que Maicosuel, que praticamente não encostou na bola durante todos os 45 minutos iniciais.

Na volta para o segundo tempo, o São Paulo mexeu. Lucas Fernandes entrou no lugar de Maicosuel, na tentativa de dar mais toque de bola para o meio de campo do São Paulo e uma distribuição melhor do jogo. Ajudou, claro, o fato de que o Grêmio tentou controlar um pouco o jogo e deixou o São Paulo com mais espaço para se movimentar na área central do campo.

O Grêmio ainda foi o melhor time durante a maior parte da segunda etapa, poderia ter matado o jogo, se Sidão não estivesse inspirado também e salvasse o São Paulo em ao menos três oportunidades.

Com um meio de campo que conseguia distribuir o jogo e se movimentar melhor e um Grêmio tentando controlar o jogo, se fechando mais próximo a área para evitar a finalização, o São Paulo começou aos poucos a aparecer mais na intermediária defensiva adversária.

Boa parte disso, também, devido a movimentação de Lucas Fernandes. Embora muitos torcedores reclamem dos toques para trás e para o lado do garoto, foi notório que a movimentação do jovem fez Hernanes se aproximar mais da área, Marcos Guilherme ter mais espaço nas alas e posteriormente, Junior Tavares chegar em condições para cruzar.

Como isso? É necessário observar o jogador sem a bola. Antes de receber, Lucas Fernandes está sempre girando na intermediária, bagunçando a marcação adversária, que precisa acompanhar. Sempre que recebe, mesmo que o toque seja para o lado, logo após o toque ele avança ou se movimenta para o lado, chamando a marcação e abrindo espaço para que o companheiro avance. Fez isso para Hernanes, Marcos Guilherme e até Araruna conseguiu chegar a linha de fundo devido a melhor distribuição do jogo e movimentação do jovem.

A gigantesca maioria da torcida não vai enxergar que Lucas Fernandes foi bem hoje. Não é o tipo de jogo que você consegue ver em primeiro plano, mas é o tipo de jogo que certamente o treinador entende, porque provavelmente ele executou exatamente o que Dorival Jr pediu.

André Jardine já tinha conversado sobre essa característica de Lucas Fernandes comigo, lá em 2015, em uma das conversas informais que tive com o treinador. Na época, ele falou sobre como ele tinha que sacrificar a atuação do Lucas perante a torcida, para que ele rendesse algo ainda mais útil para o time dele. O São Paulo foi multicampeão sub-20 e Lucas Fernandes teve bom destaque, apesar de suas funções serem mais sem do que com a bola, porque o time sub-20 do São Paulo jogava muito.

Voltando a essa derrota para o Grêmio, vendo o time ganhar espaço, Dorival foi com tudo pra cima. Gilberto e Junior Tavares também entraram e foram duas alterações importantes. Junior deu o cruzamento pelo lado esquerdo, coisa que inexistia com Edimar e entrando no lugar do Petros, em um time que tinha ganhado o meio de campo, não precisava se preocupar tanto em marcar, podendo atuar mais pelo meio.

Gilberto, por sua vez, entrou no lugar de Araruna e moveu Marcos Guilherme para a direita. Defender tinha definitivamente se tornado secundário.

Com Gilberto em campo, a área agora tinha dois atacantes ocupando espaço: ele e Pratto. Não sou fã de dois centroavantes, mas funcionou. A defesa do Grêmio passou a se preocupar com mais jogadores na área e isso abriu a marcação que estava fechada como um bloco a frente do gol. Assim, Pratto conseguiu escapar e ficar em boa condição de finalizar. O próprio Lucas Fernandes teve espaço para aparecer de cabeça. O São Paulo criou.

Apesar de ter controlado o jogo depois de ter vantagem no placar, certamente essa pressão final era um risco que o Grêmio não tinha calculado. Quase sofreu o mesmo do jogo do 1º turno, no Morumbi, onde também tinha total controle do jogo e levou um gol de Lucas Fernandes, cedendo o empate.

O São Paulo faz seu terceiro jogo muito abaixo da média. O primeiro tempo, em especial, horroroso, completamente nulo no meio de campo. No segundo tempo, existe uma parte de ilusão no ganho de meio de campo do São Paulo, pois parte se deve a melhor distribuição de jogo e parte se deve à postura do Grêmio quando teve a vantagem no placar.

Na próxima rodada o São Paulo pega o Botafogo, sem Hernanes, sem Arboleda e provavelmente com a volta de Cueva. O que esperar? O São Paulo que venceu o Santos ou o que jogou nas últimas rodadas? O São Paulo do primeiro tempo de hoje ou dos minutos finais?

Saberemos com a bola rolando, de repente é tudo fator Cueva, de repente o melhor é pensar em 2018 e esquecer que esse ano existiu.

 

About Gabriel Fuhrmann

Jornalista formado desde 2011, especializado em futebol de base. Repórter da São Paulo FC Digital
This entry was posted in Promessas do futebol. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>